31.05.2019 | Notícias Celfran

Aula aberta de Ballet e Dança – Mães e Filhas

“Depois que um corpo, comporta outro corpo, nenhum coração suporta o pouco!” (Alice Ruiz)

Ser mãe:

Que sentimento é este que desperta tantas emoções, até então adormecidas? Que torna o que parecia relevante em algo tão ínfimo e superficial?

Difícil explicar! Impossível narrar ou traduzir em palavras…

Certamente, muitas mães já tentaram fazer esta difícil tarefa utilizando algumas expressões, como: “amor que não cabe no peito”; “é tanto amor que chega a doer”. Tais expressões não são apenas ditas, mas, sobretudo, sentidas! E os sinais são evidentes: a respiração fica encurtada; beirando a uma apneia respiratória, o corpo se encolhe e as mãos no coração, mais do que tudo, denunciam a grandiosidade deste amor viciante!

Vício que tem explicação científica! São fatos que ajudam a entender por que é praticamente “viciante” ficar perto de um bebê, e por que continuamos a amar os filhos tão profundamente mesmo depois que eles crescem, apesar de todos os desafios que acompanham a maternidade.

Resumidamente, a oxitocina, também conhecida como  hormônio do amor, que circula no corpo da gestante, aumenta gradativamente, à medida que se aproxima o parto.

Quando o bebê finalmente nasce, a mãe está praticamente intoxicada desse hormônio, o que também explica porque a lembrança da dor do parto é rapidamente substituída por intensa sensação de paz e amor!!!

Interessante destacar que, segundo os cientistas, pais e mães adotivas também se beneficiam dos efeitos da oxitocina e dopamamina, outra substância química do corpo ligada ao prazer.

As fotos registradas durante as Aulas Abertas de Ballet e Dança – Mães e Filhas, realizadas nas últimas semanas do mês de maio, também denunciam o vício! Díficil conter a emoção ao contemplar tantas demonstrações de amor genuíno, de troca de olhares, abraços, ternura e carinho!

Confira o álbum de fotos na nossa página oficial! Acesse: https://www.facebook.com/consa.oficial/

Para encerrar nossa homenagem, deixamos aqui um trecho da prece à Mãe de todas as mães:

“Mãe de Jesus
Mãe da minha mãe e das mães de todo o mundo
Protege aquelas que a ti se assemelham pela maternidade
Sustenta aquelas que em ti se espelham na hora da luta
Consola aquelas que a ti se unem pela dor.

Ensina às mães a paciência das longas esperas
Explica a elas os mistérios da vida gerada
Confidencia-lhes as alegrias que só as mães entendem
E as angústias que só elas sofrem.”

Autor: Padre Reginaldo Manzotti